Post Life Transitions Transições Difíceis
Post Life Transitions Transições Difíceis

3 AÇÕES PARA SUPERAR AS TRANSIÇÕES MAIS DIFÍCEIS DA VIDA

Todos somos desafiados na vida por períodos difíceis e perturbadores, como enfrentar um problema sério de saúde (próprio ou de algum ente querido), defrontar-se com uma fase de desemprego ou de perda de ganhos, enfrentar uma crise financeira etc.

Nesses períodos somos testados na nossa resiliência, durante os quais o nosso vigor mental é testado.

Sem essa capacidade de suportar as pressões, os desafios podem se tornar insustentáveis, por força de dúvidas e ansiedade.

Sentimentos desagradáveis levam a pensamentos negativos, os quais, queiram ou não, afetam o comportamento, pois o indivíduo já entra derrotado na arena da vida.

Cria-se, então, o ciclo vicioso da profecia auto realizável: o insucesso decorre da convicção de que fracassará.

Permanecer forte diante das dificuldades exige energia aplicada ao controle dos sentimentos, pensamentos e comportamento.

Concentrar-se no disciplinamento desses três fatores fará com que o indivíduo saia da crise ainda mais forte do que antes.

Saiba mais como manter o vigor mental:

1. Aceitar a realidade.

Aceitar não significa concordar com. Trata-se de reconhecer o que está ocorrendo através de uma perspectiva realista, quando defrontado com uma situação em relação à qual não se pode exercer o controle.

A aceitação impede as atitudes dispersivas de:

  • Negação, não aceitando o que está ocorrendo, a partir do sentimento de que “eu não mereço isso”;
  • Revolta com o que está ocorrendo, a partir de “porquê justo comigo”?

A decorrência da não aceitação é o fatalismo, ou seja, a convicção de que a vida se encarregará de consertar tudo.

Por outro lado, a aceitação (independentemente de se considerar certo ou com a razão) é o primeiro passo para assumir uma atitude produtiva e para se decidir a como responder diante da situação.

Uma situação hipotética

Imagine uma situação na qual você tem um voo marcado para um determinado horário.

Ao se apresentar no balcão da recepção, foi informado de que não havia problemas de atraso.

Enquanto aguarda na área de embarque, nota que está ocorrendo um atraso na chamada de seu voo.

Nota também que voos de outras companhias, em horários até posteriores ao seu, estão sendo chamados.

Surpreendentemente, voos da própria companhia que irá transportá-lo, para o mesmo destino que o seu, mas em horários posteriores, estão sendo embarcados!

Nova consulta à recepção informa que houve um problema técnico com a aeronave que deveria servi-lo.

Reação A

Qual a sua reação? Sentir-se injustiçado pelo destino? Não concordar com a decisão da companhia de privilegiar os passageiros cujas aeronaves não tenham apresentado defeito? Sentir-se frustrado e ansioso? Dar socos no balcão? Desrespeitar a recepcionista aos brados falando que essa é uma
companhia de m**da? Considerar absurdo que a empresa não tenha aeronaves de reserva para situações como essa?

Reação B

Outro passageiro, na mesma situação, pode considerar uma sorte que o defeito tenha sido detectado antes do voo. Tudo poderia ser muito pior se ocorresse durante a viagem. Busca alguma ação produtiva que reduza os efeitos negativos do atraso, enquanto aguarda. Controla-se para manter a calma e a lucidez nas ações. Aproveita o tempo para colocar em ordem alguns assuntos pendentes, usando o celular.

Frase marcante

A frase que melhor define a aceitação da realidade marcou-me muito durante a minha vida, muito embora eu não me lembre mais quem a criou,
que diz:

Deus que me torne insubmisso para lutar contra aquilo que puder ser mudado, resignado para aceitar aquilo que não for possível mudar e, sobretudo, que me dê a sabedoria para distinguir uma situação da outra.

Aceitar a realidade é reconhecer o que está dentro do seu controle.

Quando você não consegue controlar a situação, concentre-se em se controlar.

 2. Manter-se produtivo.

Aceitar a realidade é fundamental para adotar um comportamento produtivo, pois o indivíduo passa a exercer o controle sobre sua mente e suas emoções.

A natureza das escolhas feitas ao se defrontar com o problema irá determinar a rapidez com a qual ele será resolvido.

Sempre a pessoa decide como agir, mesmo diante de fatos irreversíveis, como a perda de alguém muito próximo.

Mas sua ação pode leva-la à superação do trauma ou a emaranhar-se indefinidamente na escuridão.

Quanto mais a pessoa insistir em comportamentos improdutivos, maior será a drenagem de sua energia mental.

Reclamar da vida, apiedar-se em autocomiseração, deixar-se levar por sentimento de revolta e raiva, manterão a pessoa enjaulada numa cela sem janelas e sem saída.

A atitude correta é a de procurar o que pode ser feito para ajudar a ultrapassar a transição.

E, se necessário, ter a coragem para enfrentar o medo ou para tomar aquelas atitudes que prefere evitar.

 3. Combater a negatividade

Sua mente tanto pode ser o seu maior aliado como o seu maior inimigo.

Quando a pessoa desenvolve pensamentos negativos ou catastrofistas, o corpo não sabe distinguir que isso não é real, mas fruto da imaginação e reage como se o fato estivesse realmente acontecendo.

Entra, então, em funcionamento o sistema nervoso simpático que prepara o organismo para reagir a situações de medo, estresse e excitação, adequando o funcionamento de diversos sistemas internos para um estado de prontidão.

Ele atua nos diferentes aparelhos do organismo, desencadeando alterações diversas, como dilatação pupilar, aumento do diâmetro da traqueia e dos brônquios (aumentando a capacidade de débito respiratório), taquicardia (aumento da frequência cardíaca, que acelera a circulação do sangue e o consequente aporte de nutrientes às células, incrementando a produção de energia), estimulo à produção de adrenalina e noradrenalina nas glândulas suprarrenais, intensificação da liberação de glicose armazenada no fígado, diminuição dos movimentos peristálticos intestinais, vasoconstrição da pele, eriçar dos pelos e cabelos.

A recorrência dessas reações fisiológicas produz, ao longo do tempo, o surgimento das doenças relacionadas ao estresse, como problemas estomacais, intestinais, cardíacos, alérgicos, respiratórios (como asma), musculares e outros.

Pensamentos negativos são também paralisantes e impedem que o indivíduo exercite plenamente o seu potencial humano. Ocorre uma espécie de monomania ou cegueira mental, com a perda da capacidade analítica objetiva.

Frases que devem ser banidas de sua mente: “Isso nunca funcionará”, “Não sou bom o suficiente”, “Não aguento essa situação nem mais um minuto”, “Surtei”, “Eu não preciso aguentar isso” e tantas outras.

Lembre-se: porque você pensa e acredita em algo, isso não significa que seja a verdade!

Adote um mantra

Informe-se sobre o assunto e aprenda a fazer exercícios de relaxamento; aprenda a controlar a respiração.

Adote um mantra que repetirá em tempos difíceis, como aquele criado por um motivador, para ser repetido todas as manhãs, ao acordar: “Todos os dias, sob todos os pontos de vista, estou cada vez melhor.”

Fale com você mesmo como se você falasse com um amigo de confiança.

Quando seus pensamentos se tornarem catastróficos ou inúteis, responda com uma declaração mais realista que confirme sua capacidade de lidar com suas dificuldades.

Ewaldo Endler

Sócio da Next Steps e da Lifetransitions. Começou como executive search em 1972 e desde então tem desenvolvido uma larga experiência em várias organizações globais. É Coach em transições profissionais: A Conquista do Emprego, Planejamento de Carreira, A Recolocação Profissional, Preparação para Aposentadoria, Onboarding Executivo, Assessor na elaboração do currículo e em networking.

Este post tem 3 comentários

  1. Alexandre Muriel

    Excelentes reflexões. Ajudaram-me muito no momento pelo qual estou passando. Vou aplicar em tudo que puder o que foi explicado.

  2. Beatriz Ma. Bohrer

    Achei muito importante ler este artigo neste momento. Excelente!!!!!

  3. Ewaldo Endler
    Ewaldo Endler

    Fico feliz em saber que a mensagem chegou a vocês no momento em que a mesma faz sentido para sua vida. São aquelas coincidências raras que Jung chamou de sincronicidade. Abraços e meus agradecimentos pelo estímulo que essas mensagens trazem para mim.

Deixe um comentário