Life Transitions - Pandemia: a Era Industrial já Era
Life Transitions - Pandemia: a Era Industrial já Era

PANDEMIA: A ERA INDUSTRIAL JÁ ERA!

Como disse Peter Drucker:

”o fator real, o recurso limitador e absolutamente decisivo, ou seja, o “fator de produção” na nova era não é o capital, a terra ou o trabalho. É o conhecimento. Ao invés de capitalistas e proletários, as classes da sociedade pós-capitalista serão os trabalhadores do conhecimento e os serviçais”.

Desde 1991 estamos vivendo uma era: a ERA DO CONHECIMENTO.

Nesse ano, nos Estados Unidos, a maior potência econômica do mundo, os investimentos em tecnologia de informação (112 bilhões) superaram os efetuados em tecnologia da produção ($ 107 bilhões)

Ela será provavelmente denominada de “Revolução do Conhecimento”, por similaridade ao que hoje referimos como sendo a “Revolução Industrial”.

Revolução Industrial

A Revolução Industrial teve seu início por volta de 1750, com o aperfeiçoamento da máquina a vapor.

Ao longo de 300 anos provocou mudanças profundas no sistema produtivo e na estrutura social, que se caracterizou pelo deslocamento da população rural para urbana, com o surgimento das megalópoles, a consequente criação de sistemas de transporte de massa e o aparecimento da estrutura de serviços de alimentação e pessoais para servir aos grandes contingentes de empregados concentrados em fábricas e escritórios.

Outras consequências foram: o desenvolvimento de sistemas logísticos de movimentação e armazenamento, que asseguram a distribuição de bens em áreas extensas, ultrapassando os limites da proximidade dos pontos de produção, a degradação do meio ambiente, o aprofundamento dos desníveis sociais e o surgimento de movimentos como o socialismo e o anarquismo etc.

Além disso, ocasionou também a criação do estado nacional, com a função de defender e proteger os interesses dos industriais. Grandes guerras com motivação básica econômica. Reestruturação política dos países, com o surgimento dos sistemas democráticos, os quais propiciam que a estrutura de poder da sociedade melhor corresponda à nova realidade, na qual a mobilidade social vertical é maior.

Novo conceito de riqueza associado à acumulação de bens e capital.

Revolução do Conhecimento

Um dos efeitos mais sensíveis da Revolução do Conhecimento será a drástica redução nos níveis de emprego.

Atualmente, nos países mais desenvolvidos, cerca de 3% da população economicamente ativa trabalha na agricultura, produzindo tudo o que se necessita para comer.

A grande questão é saber como será estruturado o mundo quando outros 3% dessa população for capaz de fabricar todos os carros, refrigeradores, eletrodomésticos, vestuário etc. necessários.

Outro efeito da Revolução do Conhecimento é que, em muitas das atividades empresariais, torna obsoleta e desnecessária a reunião de pessoas todas juntas num só local para trabalhar. Mais e mais amiúde, pessoas passarão a trabalhar em casa.

Assistiremos a um processo de desurbanização das cidades, com parcelas da população deslocando-se de volta para regiões mais rurais, já que o trabalho em casa, as compras eletrônicas e por Internet, as trocas eletrônicas de dados etc., tornam desnecessária a presença física das pessoas junto aos locais de ocorrência dos eventos.

As pessoas passarão a ter mais tempo disponível, ao livrar-se das duas horas diárias gastas em deslocamentos da casa para o trabalho e vice-versa, com incursões ao supermercado, o shopping center etc.

Estas horas adicionais serão transformadas na compra de novos serviços e de lazer, a prática de esporte, a comunicação e confraternização, os clubes de interesses comuns etc.

Os sistemas logísticos e de distribuição serão reformulados através do uso intensivo de veículos autônomos de transporte terrestre, aéreo e aquático.

Ocorrerá a progressiva ociosidade da estrutura implantada para viabilizar a movimentação de grandes massas humanas, com momentos de pico ao longo do dia, como trens, metrôs e sistemas viários, bem como a reformulação das atividades de prestação de serviços implantadas para atender a essas massas, em alimentação, estacionamentos, lavanderias e demais serviços pessoais.

Haverá surpreendente melhoria das condições ambientais, pela eliminação da emissão de centenas ou milhares de toneladas de gases poluentes na atmosfera, hoje gerados pela intensa movimentação de pessoas para os locais de trabalho.

Poder na Sociedade

Mudará a estrutura de poder na sociedade através da perda de controle dos governos sobre a informação e a comunicação, sobre a moeda e sobre o fluxo internacional de capitais.

Além disso, é universalmente evidente que a atual estrutura de representação através de Câmaras Legislativas e Senado é ultrapassada, deformada de seus propósitos iniciais e que necessitam, urgentemente ser reformuladas.

Nenhum cidadão do mundo se sente hoje adequadamente representado pelo sistema legislativo vigente.

A democracia direta é cada vez mais viável, consultando diretamente a população através dos meios disponíveis de comunicação, sem a necessidade de representantes.

Uma das principais características da Revolução Industrial, foi o fato de que passou para as mãos do capitalista a propriedade dos meios de produção e as pessoas tornaram-se empregados e funcionários para aplicar o seu trabalho nesses meios.

Diferentemente, o conhecimento é propriedade do indivíduo, que passa, então, a ser proprietário dos meios de geração de riqueza.

Exemplifica atualmente esse fenômeno a existência das unicórnios, empresas com valor superior a 1 bilhão de dólares, praticamente desprovidas de ativos reais. Uber e Airbnb são exemplos característicos dessa nova era. Riqueza será o acesso ao conhecimento.

Como ocorreu em todas as revoluções pelas quais passou a humanidade, a atual também decorre num processo de destruição x criação, com a progressiva eliminação do modelo obsoleto e sua substituição pela nova realidade.

Aparentemente, a pandemia do corona vírus agirá como um acelerador desse processo do qual deverá emergir uma nova estrutura de poder na sociedade e um novo conceito do trabalho.

Você está preparado para essas mudanças? Deixe seu comentário abaixo.

Ewaldo Endler

Sócio da Next Steps e da Lifetransitions. Começou como executive search em 1972 e desde então tem desenvolvido uma larga experiência em várias organizações globais. É Coach em transições profissionais: A Conquista do Emprego, Planejamento de Carreira, A Recolocação Profissional, Preparação para Aposentadoria, Onboarding Executivo, Assessor na elaboração do currículo e em networking.

Deixe um comentário