SOBREVIVENDO AO HOME OFFICE EM TEMPOS DE CORONAVÍRUS
Life Transitions Sobrevivendo ao Home Office em tempos de Coronavírus

SOBREVIVENDO AO HOME OFFICE EM TEMPOS DE CORONAVÍRUS

O trabalho remoto, ou home office, tem crescido ao longo do tempo tomando um ou dois dias por semana de cada profissional nele envolvido.

Ninguém estava preparado, entretanto, para o momento atual, no qual equipes inteiras são instantaneamente colocadas remotamente, da noite para o dia.

No início é uma experiência exultante. Tudo indica, entretanto, que ele irá se estender muito além dos inicialmente previstos 15 dias, podendo chegar a 3 meses, que se transformarão numa experiência penosa para muitos dos que têm dificuldades em conviver com o isolamento.

Todas as dicas mais comuns para garantir a viabilidade e a eficácia do trabalho remoto permanecem válidas e não vamos repeti-las.

Contudo, a nova situação cria o desafio de como manter a coesão das equipes privadas do contato social.

Como preservar a cultura organizacional, como combater o isolamento e, principalmente, as decorrências dele que implicam na perda de relações afetivas e de solidariedade, durante a pandemia do coronavírus.

Ações Criativas Trabalhando em Home Office

Discutimos a seguir algumas possíveis ações criativas para manter o “espírito de equipe” no grupo.

Cabe a cada um avaliar a sua aplicabilidade à situação específica de sua organização e, talvez, utilizar as recomendações como fonte de inspiração para outras possíveis medidas.

OCUPE O TEMPO DE TRASLADO

A sua vida ganhou algumas indulgências, por economizar o tempo de deslocamento de casa ao trabalho.

Em tese, você pode pular da cama imediatamente para o trabalho. Contudo, não faça isso! Mantenha o seu ritmo de horário de despertar, fazer suas abluções diárias e se vista para o trabalho. Isso contribuirá para disciplinar seus familiares ou com quem você more.

Duas ou três vezes por semana, “tome o café-da-manhã com um de seus colegas ou subordinados”.

Não mude nada na sua rotina. Você e o outro irão sentar à mesa para tomar juntos a refeição matinal (ainda que a sua, ou a dele, seja um simples cafezinho), rodeados pela família, conectados através de uma chamada com vídeo e batendo um papo descontraído, comentando algum fato do momento, político, esportivo, econômico etc.

Filhos, animais de estimação ou a esposa podem interromper a conversa, como se todos estivessem juntos.

Interrompam no horário aproximado em que devem começar a trabalhar.

TORNE O VÍDEO, OU PELO MENOS A VOZ, OBRIGATÓRIOS EM TODOS OS CONTATOS.

Elimine definitivamente, ou reduza ao mínimo possível, as comunicações por texto via Whatsapp, Telegram, e-mail e outros.

Portanto, tente sempre priorizar a chamada com vídeo, ou, pelo menos, por voz.

Nada de teleconferências ou de contatos mais formais, programados. Fale, ouça, veja. Crie o ambiente mais próximo do cotidiano. É importante ver a expressão amistosa da pessoa que o aborda com a frase: “Podemos falar?”

O motivo é simples: na interação humana, mais de 90% da comunicação é não verbal.

MANTENHA LIGADO O CHAT EM GRUPO

Vamos tentar reproduzir aquilo que é o grande fator de sucesso dos espaços de co-working: a proximidade sonora e visual de outras pessoas igualmente trabalhando, ainda que sem interação pessoal.

Faz bem para a pessoa ouvir alguém tossindo ao seu lado (não em tempos de Covid-19), ou mexendo em papeis, ou digitando, ou se levantando para buscar algo na impressora, ou falando ao telefone.

Trabalhar eventualmente em casa é uma experiência empolgante. Mas, tornada rotina, para a maior parte das pessoas, é uma situação penosa pelo isolamento.

A sensação de integração com o grupo é boa para a produtividade, para o humor e para o moral.

Além disso, permite a dinâmica do contato imediato, de fazer perguntas rápidas em voz alta, com efeitos positivos sobre todo o grupo e, eventualmente, a participação de terceiros na conversa.

ADOTE UM MÉTODO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO E ENVOLVA UM COLEGA.

Existem disponíveis várias técnicas de gerenciamento do tempo e você deve adotar uma delas.

Há uma que é muito usada por estudantes que se preparam para vestibular, muito simples e efetiva, desenvolvida em 1988 pelo italiano Francisco Cirillo, no livro “The pomodoro technique, que pode ser aplicada para diversas tarefas, seja nos estudos, seja no trabalho.

O conceito do Pomodoro é dividir o estudo ou o trabalho em tarefas que durem exatamente, 25 minutos. Concluindo-a ou não, a pessoa deve parar e descansar 5 minutos.

Durante o tempo de descanso, é interessante não fazer nada que requeira muito esforço mental. Caso contrário, sua mente não será capaz de reorganizar e integrar o que você executou.

Como resultado, você estará energizado e entusiasmado para dar ao próximo Pomodoro o seu melhor esforço.

Adote essa ou outra técnica juntamente com um colega, de tal forma que ambos iniciarão e completarão cada etapa coordenadamente. É muito conveniente levantar, esticar o corpo, convidar o colega para tomar um café ou uma água, usar o toilette etc.

CRIE DUPLAS DE AUTO ESTÍMULO

Celebrar as vitórias, ainda que pequenas, é crucial para manter o moral dos membros da equipe.

Contudo, a modéstia pode tornar antipático vangloriar-se ou se gabar de algo realizado. Mas, receber o elogio ou o mérito concedido por um terceiro é fato naturalmente aceito.

Isso pode ser contornado através da criação de duplas de auto estímulo, as quais devem ser rotativas. A cada dia, você irá compartilhar com alguém as suas realizações, que podem ser, por exemplo, a conclusão de uma etapa de um projeto, ou o fechamento de um relatório, ou o atingimento de uma meta etc.

O colega que forma a outra parte da dupla enviará uma mensagem de texto, com cópia para o grupo, parabenizando-o pelo feito.

NÃO FIQUE EMBARAÇADO POR PARECER HUMANO

Embora muitos dos seus colegas tenham a sorte de possuir em casa um escritório separado, nem todos o terão. Através dos vídeos veremos pessoas circulando ao fundo, crianças correndo, gritinhos e risadas, latidos, gatos que sobem na mesa, campainha tocando, sala de estar, cozinha, televisão ligada etc.

Se ocorrer na sua casa, não se incomode com isso e, principalmente, não comece a admoestar as pessoas da casa mandando-as calar a boca e não fazer barulho. Simplesmente você aparentará ser humano como todos os demais.

Por outro lado, se você assistir a essas cenas, não finja que não está vendo nada. Pergunte o nome do gato, ou da criança que interrompeu a conversa. Faça um elogio ou diga palavras agradáveis. Descontraia e relaxe! Somos todos humanos! Faça algum elogio ao ambiente que está vendo.

QUEBRE A FORMALIDADE DO ENCONTRO

Você precisa quebrar a formalidade artificial das relações.

Crie momentos informais, de descontração, que o aproxime das pessoas.

Por exemplo, movimente-se pela casa, levando consigo o seu computador. Enquanto conversa com um colega, vá até a cozinha apanhar algo na geladeira ou fazer um café. Apresente ao seu colega as pessoas que encontre no caminho (sua mulher vai odiar, pois, na opinião dela, ela nunca está “apresentável”).

Entretanto, controle bem o tempo. Isso pode durar alguns minutos de forma a não prejudicar o trabalho.

CRIE EVENTOS COMUNS NO GRUPO

Isto permite várias alternativas, tais como:

  • Um almoço com a participação de todos, no qual o grupo decide por um cardápio temático e algumas regras de custo e todos pedem comida italiana, ou japonesa, ou chinesa etc., interligados por chat em grupo;
  • Uma noite da pizza, das esfihas ou algo semelhante;
  • Assistirem um evento esportivo, do tipo “final de campeonato”;
  • Cada um comentar um filme que assistiu e que o impressionou;

SEJA CRIATIVO E DÊ A SUA SUGESTÃO

O assunto é novo e pode progredir ainda mais.

É também uma grande oportunidade.

Nós criamos uma sociedade de negócios baseada no trabalho coletivo, realizado num só local, com o deslocamento massivo de grandes contingentes de pessoas que iniciam e terminam seus turnos no mesmo horário.

Para suportar esse volume de pessoas criamos estruturas de transporte, de alimentação e de serviços pessoais concentrados ao redor dos locais de trabalho.

Evidentemente, tudo vai mudar.

Talvez a crise atual seja a primeira oportunidade de exercer um experimento prático daquilo que deverá se tornar o novo mundo do trabalho. Há grandes oportunidades de aprendizagem e de experimentação.

Contribua você também, caro leitor, com a sua sugestão a respeito de ações possíveis para manter o espírito de equipe e a cultura organizacional com a descentralização do trabalho. Deixe um comentário aqui ou envie sua sugestão clicando aqui.

Ewaldo Endler

Sócio da Next Steps e da Lifetransitions. Começou como executive search em 1972 e desde então tem desenvolvido uma larga experiência em várias organizações globais. É Coach em transições profissionais: A Conquista do Emprego, Planejamento de Carreira, A Recolocação Profissional, Preparação para Aposentadoria, Onboarding Executivo, Assessor na elaboração do currículo e em networking.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Scroll Up
×

Carrinho