Post Life Transitions Liderança e Chefia
Post Life Transitions Liderança e Chefia

A SÍNDROME DA MEDIOCRIDADE

O consenso é a negação da liderança” – Margareth Thatcher

Há um lamentável equívoco nessa frase. A frase correta é: “O consenso é a negação da chefia”.

Não há dúvida de que profissionais que atingem cargo de Diretoria ou de Gerência de primeiro nível destacam-se como grandes gestores.

São pessoas focadas em resultados, que tomam decisões rápidas e com segurança, exigentes quanto ao desempenho da equipe e dotados de grande força impositiva da qual deriva sua autoridade.

Raros, contudo, são também líderes.

Gestores são chefes e têm subordinados; líderes têm seguidores.

Gestores tomam decisão e delegam tarefas, dizendo às pessoas o que devem fazer.

A relação é transacional, ou seja, os subordinados cumprem o que lhes foi designado porque há uma recompensa extrínseca futura, na forma de seu salário.

Líderes inspiram pessoas delegando missões e oferecendo benefícios transformacionais, com recompensa intrínseca, ou seja, além do salário, o seguidor se transformará numa pessoa melhor através da realização dos desejos que estão em seus corações.

Líderes não tomam decisões; agem como facilitadores nas decisões.

Somente pessoas inspiradas conseguem levar mais longe a tarefa de fazer da empresa um grande sucesso nos negócios.

As falhas de liderança desmotivam e burocratizam mentalmente os colaboradores.

Pessoas submetidas a chefias que apresentam comportamentos que as incomodam e que se sentem incapazes de contribuir conscientemente para os resultados da organização, desistem e se voltam para procurar outras oportunidades profissionais no mercado de trabalho.

Um processo darwiniano

Quando todos partem para a busca de um novo emprego, ocorre um processo de seleção natural, sendo previsível que os melhores e mais talentosos encontrem novas oportunidades profissionais. Os medíocres ficam porque ninguém os quer.

Com isso, dispara-se o primeiro passo para o processo de mediocrização da empresa.

Novos paradigmas

O segundo fenômeno é o desenvolvimento de novos paradigmas para a seleção de colaboradores. Este é um processo inconsciente, que acaba permeando toda a organização.

O desenvolvimento de novos paradigmas é constatado em vários aspectos dos grupos sociais.

Por exemplo, quando todos são obesos, a obesidade deixa de ser considerada um problema e as pessoas até mesmo conseguem enxergar beleza na barriga proeminente, nas nádegas monumentais ou nos pneuzinhos saltando por sobre a cintura da calça.

Na empresa a proliferação da mediocridade torna-se inconscientemente o padrão de avaliação de novos empregados ou para a promoção interna, ou seja, se o candidato tem mais ou menos a “cara” do grupo, então ele deve ser bom.

Se ele é um talento que se destaca muito dos demais, a desculpa é “ele não é adequado à nossa cultura”.

Com isso, a mediocridade se pereniza.

A potencialização do autoritarismo

Gestores cercados de medíocres têm todas as razões (ou desculpas) do mundo para se tornarem mais arbitrários, mais impositivos e mais impacientes.

Ou seja, ocorre um feedback diabólico que acentua os maus comportamentos dos gestores no seu relacionamento com os subordinados, refletidos nas queixas comuns de:

  • Superioridade;
  • Impulsividade;
  • Egoísmo;
  • Orgulho;
  • Arrogância;
  • Autopromoção;
  • Vencer ou ter razão sempre;
  • Difícil de admitir que está errado;
  • Agressividade;
  • Não ouvir sem interromper;
  • Não aceitar que os outros podem ser, agir e pensar de forma diferente;
  • Difícil de confiar nos outros;
  • Microgerenciar;
  • Controlar tudo e a todos;
  • Não delegar;
  • Não reconhecer os esforços.

Por seu lado, estas características realimentam e reforçam o próprio processo de mediocrização.

Ewaldo Endler

Sócio da Next Steps e da Lifetransitions. Começou como executive search em 1972 e desde então tem desenvolvido uma larga experiência em várias organizações globais. É Coach em transições profissionais: A Conquista do Emprego, Planejamento de Carreira, A Recolocação Profissional, Preparação para Aposentadoria, Onboarding Executivo, Assessor na elaboração do currículo e em networking.

Deixe um comentário