Post Life Transitions Desemprego e Depressão
Post Life Transitions Desemprego e Depressão

COMO COMBATER A DEPRESSÃO DO DESEMPREGO

Conversas informais mantidas com dezenas de profissionais em fase de transição de carreira confirmam aquilo que todo desempregado já sabe: a falta de atividade resulta em sentimentos de abatimento e depressão, acompanhados de ansiedade e vergonha.

O emprego é parte integrante da cultura de quase todas as sociedades atuais e seu valor estende-se muito além da estabilidade financeira que ele proporciona, tendo projeções psicológicas, familiares e sociais.

A transição entre empregos, ou seja, o período requerido para encontrar uma nova oportunidade e iniciar a trabalhar na nova empresa está por volta de 10 meses.

Cautela deve ser observada ao interpretar esse número por dois motivos:

  1. ele corresponde a uma média com distribuição muito ampla, havendo pessoas que se reempregaram em dois meses e outras que levaram 18 meses para atingir esse objetivo; constatam-se atualmente muitos casos de pessoas que estão há mais de um ano na busca de uma oportunidade;
  2. profissionais que fazem da busca do emprego uma tarefa disciplinada, à qual dedicam 8 horas por dia, seguindo um método planejado e sistemático, encurtam significativamente o período de transição.

Todos já assistiram algum programa no canal Discovery ou Animal Planet no qual o predador consegue matar a presa.

O que poucos sabem é que a leoa ou o guepardo são bem-sucedidos em uma a cada dez tentativas de caça.

Ou seja, 9 em cada 10 casos a presa escapa ilesa!

Conseguir o emprego é a mesma coisa numa proporção atualmente ainda mais desfavorável.

E a sensação de rejeição aumenta na medida em que, com o passar do tempo, o profissional começa a se arriscar mais, apresentando-se como candidato para cargos que são evidentemente inadequados às suas qualificações.

Os sentimentos negativos de abatimento, insegurança, medo e ansiedade são os principais entraves ao sucesso numa entrevista pois refletem-se em falta de energia e de entusiasmo, inconscientemente influenciando a avaliação do selecionador.

Veja a seguir as ações que você pode fazer para combater esses sentimentos.

Participe de um Grupo de Ajuda Mútua (GAM) para desempregados

Não pense e nem imagine que poderá conduzir sozinho a busca de uma nova oportunidade profissional.

Você necessita integrar-se a um GAM.

Não considere que nele você irá encontrar um bando de perdedores.

Os GAM para desempregados são pontos de encontro ou de relacionamento, que podem ocorrer presencialmente ou via redes sociais, abertos, voluntários e gratuitos de pessoas que partilham o mesmo problema, que é estarem em transição profissional.

Os membros interagem entre si compartilhando as suas experiências, esperando diminuir o estresse associado ao problema e aumentar suas capacitações para lidar com o mesmo.

Além disso, veiculam para conhecimento de todos os membros quaisquer oportunidades profissionais que tenham identificado e que não seja adequadas ao seu perfil.

Os GAM para desempregados não possuem estrutura formal e têm uma base democrática, sendo organizados pelos próprios membros, com as regras de funcionamento definidas pelos mesmos

O princípio fundamental é a confidencialidade e cada membro pode identificar-se com seus dados reais ou através de um apelido, bem como há o respeito pela diversidade.

Um GAM para desempregados adequadamente estruturado pode trazer as seguintes contribuições para o profissional:

  1. É uma forma de expandir sua rede de relacionamentos;
  2. É uma fonte de novas ideias e de encorajamento;
  3. Amplia enormemente a identificação de novas oportunidades em
    aberto no mercado de trabalho (mil olhos)

Conheça os GAM:

2 Desenvolva atividade útil

Procure manter-se ocupado em atividades que lhe propiciem sentido de realização e de satisfação e que, além disso, possam impressionar favoravelmente o seu futuro empregador, demonstrando ser você uma pessoa empreendedora e com iniciativa.

Escolha, de preferência, uma atividade que o(a) force a sair de casa e se relacionar com outras pessoas.

Isso pode ampliar o seu network, além de lhe proporcionar sensação agradável de ser útil.

Dentre as possíveis atividades, aquelas que estejam relacionadas a fazer o bem são as que maiores benefícios podem lhe trazer.

Nisso se enquadram trabalhos voluntários diversos, como ajudar a organizar uma ONG, prestar serviços em atividades beneméritas etc.

Pode também optar por investir na melhoria de sua qualificação, participando de eventos, palestras, workshops etc, desde que o tempo dedicado a essas atividades não interfira no seu projeto principal, que é a busca do emprego.

3 Valorize as boas notícias

Desenvolva o hábito de comentar com alguém próximo a você pelo menos uma boa notícia por dia.

Pode ser a conquista do campeonato pelo time de sua preferência, a prisão de mais um “figurão” por corrupção, ter atingido um objetivo com relação ao número de relacionamentos no Linkedin, ter conseguido falar com um dirigente empresarial que muito lhe interessava, um feito ou conquista de um filho, enfim, algo que justifique uma comemoração, ainda que discreta e íntima.

Sugestão: um bom momento para isso é quando, pela manhã, todos estão despertando para iniciar mais um dia.

4 Confira quem viu o seu perfil no Linkedin

Evidentemente, ter seu registro lido e percorrido não irá trazer-lhe nenhum emprego.

Contudo, saber que pessoas se interessaram em melhor conhece-lo é algo que eleva seu estado de espírito.

Afinal, você não está morto(a) e enterrado(a).

Para isso, ative o plugin do Chrome que registra os usuários que o visitaram.

5 Faça uma lista das coisas pelas quais agradece

As demandas da vida nos impedem de enxergar tudo o que de bom possuímos e que não são coisas relacionadas ao trabalho, mas as quais tomamos como verdadeiras e permanentes, sem lhes dar o devido valor.

Podem ser fatos como possuir boa saúde, ter um casamento estável, possuir filhos felizes e bem-educados, estar cercado de amigos que o amam etc.

Faça essa lista; à medida em que os dias passam você encontrará muitos motivos para expandi-la cada vez mais, adicionando novas benesses.

6 Demonstre otimismo (mesmo que seja falso)

As pessoas tendem a se afastar daquelas que são perniciosamente pessimistas.

Adote a postura e a forma de se expressar que transmita energia e otimismo.

Caso alguém lhe pergunte o que tem feito ultimamente, sua melhor resposta é:

“Eu tenho mantido contatos de networking e também estou desenvolvendo atividades voluntárias.
Eu estou muito contente em poder utilizar minha capacitação a favor de uma organização cuja missão eu respeito”.

7 Faça o inventário de seu patrimônio profissional

Você não perde seu patrimônio humano e profissional quando você perde o emprego.

Contudo, o profissional é engolfado na rotina do cotidiano do seu trabalho e perde de vista a perspectiva de quanto ele adquiriu de conhecimentos, novas habilidades e competências, bem como das realizações obtidas e que mudaram ou contribuíram para o desenvolvimento das empresas para as quais trabalhou.

Os seus feitos e conquistas são essenciais para a elevação do seu espírito e da autoestima.

Mas são igualmente fundamentais para a composição do seu currículo.

8 Aproxime-se de quem possa lhe dar suporte

Como já foi dito, não tente conduzir sozinho a sua transição de carreira.

Parte desse objetivo é atingida ao integrar-se como membro de um GAM.

Contudo, as relações são virtuais e você necessita do contato pessoal com quem possa discutir os assuntos de sua recolocação.

Pode ser uma outra pessoa que igualmente esteja em transição de carreira, ou alguém que lhe seja muito próximo e que o(a) conheça bem.

Numa situação extrema, caso não tenha ninguém com que compartilhar suas preocupações e ansiedades, procure o auxílio de um profissional qualificado, como, por exemplo, um psicólogo.

Esta pessoa (pode ser mais de uma) terá, em grande parte, a missão de ouvi-lo(a) pois, muito comumente, falar sobre um assunto acaba por gerar solução para o problema ou a visão de caminhos a seguir.

Outra função desta pessoa é alertar para eventuais ações de fuga ou de procrastinação, recoloca-lo(a) numa trilha produtiva e impedir que você se descarrilhe no caminho.

9 Combata os maus hábitos

Caso você seja propenso a desenvolver maus hábitos, como o de comer compulsivamente, abusar de cigarros, do álcool ou outras substâncias que levam à dependência química, o estresse de estar desempregado, associado à ausência de compromissos diários inadiáveis, coloca-o(a) em sério risco de ter uma recaída.

10 Crie espaço para você

Além de dedicar-se disciplinadamente à sua transição de carreira, estabelecendo rotinas e se concentrando como se a busca do emprego fosse o seu emprego atual, inclua na sua agenda o tempo para dedicar-se a si mesmo(a) para cuidar de sua aparência, combater a flacidez e a obesidade, relaxar e rir, rir muito.

Mude o corte do cabelo ou o penteado, experimente aquelas roupas que você sempre desejou, mas que tinha vergonha de usar, aprenda a tocar um instrumento musical ou encontre um passatempo que o(a) atraia.

Ewaldo Endler

Sócio da Next Steps e da Lifetransitions. Começou como executive search em 1972 e desde então tem desenvolvido uma larga experiência em várias organizações globais. É Coach em transições profissionais: A Conquista do Emprego, Planejamento de Carreira, A Recolocação Profissional, Preparação para Aposentadoria, Onboarding Executivo, Assessor na elaboração do currículo e em networking.

Deixe um comentário